terça-feira, 3 de novembro de 2009

Um dia..

Um dia não olharei para trás. O meu pescoço manter-se-à em frente, na linha do futuro, sem medo de o enfrentar. As mágoas passadas ficarão escondidas num outrora não encontrado. A perda mortífera ficará e acompanhar-me-à sempre. Um dia olharei em frente e terei esperança num futuro risonho, uma esperança brilhante que me dirá que tudo tem uma razão e que as linhas da vida escrevem correctamente ainda que nos magoem. Um dia serei capaz de recordar-Te com um sorriso. Não que não o faça agora, mas um dia terei a capacidade para entender as vicissitudes da vida. A maldade não será vista em todo o lado apenas porque sim, porque é mais fácil. Um dia, o amanhã será o que desejo e será aí que irei buscar forças para continuar. As palavras que agora existem deixarão de fazer sentido e as dificuldades serão apenas uma triste recordação. Um dia irá terminar o amanhecer revoltado, choroso, e conTigo no coração levarei a minha vida para a frente, sem apertos e com a esperança que Te encontras bem, num local cheio de luz onde torcEs por nós, aguardando em paz o nosso reencontro que esperAs ser tardio. Um dia os meus olhos não enfrentarão o vazio da incerteza, e inundar-se-ão de orgulho do que fui, de quem sou e o silêncio encarregar-se-à do reconhecimento. Um dia as palavras sairão soltas, sem mágoas, sem espaços para mal-entendidos e ecoarei o grito mudo que trago no peito. Um dia, quando não sei, retomarei a menina que fui um dia, ao olhar o céu repleto de estrelas serei capaz de Te ver, e contar-Te-ei tal como sempre fosTe. Sem reservas, farei o Teu retrato. E os testemunhos virão de todo o lado, como se do ontem se tratasse. Imagino-nos junto ao mar nocturno, com a areia gelada a inundar-nos a pele, aquecidos por uma fogueira a recordar-Te. A bom rir do que fosTe e serÁs sempre, a chorar os Teus sorrisos. Os primos irão dizer a meninice garota, os amigos o companheirismo que sempre Te caracterizou Surgirá o Bruno amigo, o Bruno Vida Gorda, e comigo surgirá apenas o Bruno e tudo que Ele representa. Um dia serei capaz de retratar-Te sem receio do amanhã e olharei bem em frente, corajosa. A minha voz não irá tremer quando me questionarem se tenho irmãos, o sim surgirá imponente. Sim tenho um, o melhor de todos. Um dia, não sei quando, adormecerei na esperança que ainda me reconheçAs, que me tenhAs seguido os passos com orgulho, e que de olhos fechados e alma aberta consiga sentir a Tua mão estendida. Para sempre..

2 comentários:

Enzo disse...

Tens miminho no meu blog :p

anaferro disse...

São muito intensos estes teus textos, são coisas que só quem sente na alma pode descrever, e mesmo assim sei que deves agoniar por não conseguir dizer tudo o que aí vai. Mas consegues fazer-me sentir um aperto no peito, pois as tuas palavras ganham vida nas emoções.

Que chegue esse dia, querida Suspiro. Que a revolta passe para conseguires viver com a falta dele e não para a falta dele. Será lugar comum dizer, mas de certeza que ele assim quereria. Mas penso que esse dia tem que chegar por ele mesmo, pois tens direito e penso que deves sofrer tudo o que há para sofrer. Não dá para que seja de outra forma, perante uma perda tão grande.

Deixo aqui a minha sincera força. Muitos beijinhos.