quinta-feira, 9 de abril de 2009

A vida tem sido muito injusta. Não tenho cara nem palavras para descrever o quanto me fazem sofrer alguns momentos, fora o sofrimento inimaginável que se vive lá por casa. Acabei de falar com a nossa mãe. Esteve toda a tarde no cemitério e está encharcada pois a chuva não perdoa mas nem assim a demove. Não raras as vezes vou lá busca-la, e é uma mãe aos gritos e desfigurada que abraço e tento acalmar. Faço esforço para não chorar à sua frente mas em vão. Mata-me ter-te perdido, mata-me ver os nossos pais assim. E não há nada neste mundo que possa fazer para os consolar ou em busca de alguma paz para mim. Hoje visitei-te de manhã, mas não fui a tempo de ir ter com a nossa mãe. E no canto deste escritório, sentido-me cada vez mais pequena e insignificante tenho a certeza de onde se encontra. De cabeça baixa, dentro do carro estacionado à porta daquela que é a tua última morada. E eu não posso fazer nada que a faça sorrir. E isso mata-me. Cada dia que passa.

6 comentários:

Gingerbread Girl disse...

O teu texto emocionou-me...

Lamento a tua perda.


Um abraço*

Anónimo disse...

Olá querida, ao ler as tuas palavras, sinto-me extremamente impotente, sem palavras e com um aperto enorme no meu coração.

Beijinhos minha querida prima/irmã.

Cláudia

Anónimo disse...

Querida tenho acompanhado o teu blog já á algum tempo... por varias vezes senti-me tentada a comentar... mas acabo sempre por nada dizer pois o teu sofrimento é incalculavel...e nada do que te digam te fará sentir melhor...
O teu irmão está a cuidar de voces tenho a certeza.. e tu também a tens... a vida por vezes é ingrata e faz com que a vontade de viver-mos desapareça... a tua mãe e pai estão assim... mas a felicidade que futuramente vão sentir, é nas tuas mãos que se encontra e és tu que os vais ajudar mesmo que agora te pareça impensável...
Jamais será esquecido o teu Bruno!
Miúda és uma lutadora uma mulher de armas, uma mulher do norte... és um orgulho...
E a vida vai compensar-vos pelo que vos retirou num ápice..
Bjinho nesse coração destroçado..
Continuo por aqui a ler-te...
Agora e sempre!

Suspiro do Norte disse...

Às três, um bejinho de agradecimento enorme pelas palavras de conforto.. e por estarem por aí..

Anónimo, não sei se te conheço, mas d qq das formas um bgd do fundo do coração..

Anónimo disse...

Não assinei por lapso.. a anónima sou eu....
a Susana (antiga vizinha)

Bjinho****

João Fragata disse...

Cada vez que venho ver o teu blog, só me dá vontade de chorar...Não conheci o teu irmão, mas sabia o carinho, orgulho e amor que sentias por ele...Já te tinha dito e digo-te na mesma, ele está a olhar por todos vocês e sei que ele quereria que vocês não sofressem...Ele foi um anjo que teve que voltar mais cedo, mas que nem por isso vos deixará nunca...Custa-me ver-te assim amiga...E se algum dia precisares de alguém, eu estarei aqui ok? Um abraço e muitos beijinhos para ti e para a tua família. João Fragata.