sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Um abraço

O frio parece cortar-nos o rosto. As pessoas cruzam-se, cumprimentam-se embora não saibam que dizer. As nuvens a pouco e pouco cobrem o sol, e tornam ainda mais cinzenta esta época. Sente-se o silêncio. Pesado. Talvez seja das imagens mais triste que levo na alma. Os pais que no cemitério visitam os seus filhos,  que se sentam como que a pedir-lhes orientação e conforto, que lhes gritam que não os esquecem e que a vida já não faz sentido. São solidários entre eles, no fundo sabem que só eles são capazes de compreender a faca que lhes cravaram no coração. Abraçam-se em silêncio, partilham palavras de coragem. Partilham memórias. Recordam os seus jeitos, os seus sorrisos. Depois seguem o seu caminho, anestesiados, cabisbaixos. Não é possível ficar indiferente,e isso está espelhado no rosto de quem assiste. O dia prossegue lento no meio da confusão que se instala nesta época. O frenesim chega a incomodar, ainda que saibamos que senti-lo não é correcto. Nesta noite de família, as lágrimas cairão soltas no rosto de inúmeros pais a quem a vida desmembrou. Com o coração vazio, os seus pensamentos pertencem aos seus filhos queridos. Desejam-lhes um Santo Natal, estejam eles onde estiverem.

3 comentários:

Vanita disse...

Um beijo muito grande para ti, querida. Tudo de bom ;)

Deboraah13 disse...

Existe uma musica que nao me canso de ouvir!
Da-me um Abraco de Miguel Gameiro
Ouve e depois diz-me algo...
Beijocas querida*

Mr. Me disse...

Acho que deve ser das dores mais duras. Perder um filho. É ilógico, simplesmente.

Um beijo e força miúda!