domingo, 4 de janeiro de 2009

Novo ano

Não foi ano novo vida nova. Nada desapareceu como por magia. Não me foi permitido estalar os dedos e tornar a ser como fui um dia.Aprendi a pior dor de todas. Aprendi que não há lugar para rewind nem forward, para o voltar atrás e mudar tudo, para o fazer correr o tempo e terminar com a ausência injusta que magoa o meu lar, e que o transformou para sempre.

De 2008 anoto as coisas boas. Foram poucas é verdade, mas não as trocaria por nada.
A minha licenciatura, os verdadeiros amigos da capital que tanto me ajudaram sempre que precisei.
O meu regresso às origens.
O meu irmão. As palavras que troquei com ele, as confidências só nossas, os desabafos secretos que tivemos, o abrir de dois corações que sabíamos ser só um. A confirmação do amor e admiração que nutríamos um pelo outro. A sua voz estremecida ao telefone quando lhe dei um dos maiores orgulhos, a conclusão do meu curso. O seu sucesso profissional que o fez distinguir-se dos demais. A sua gargalhada, o seu carisma, o seu olhar que iluminava todos à sua passagem.
O perceber que sou a imagem dos meus pais e irmão. Que os meus pais fazem tudo pelo próximo, muitas vezes calcando a sua própria dor, optando por engolir o que não devem para se manterem fiéis a si próprios e ao meu irmão.
A corrente de solidariedade da minha família e amigos que foram incansáveis e a quem muito devo.

O pior ...é inacreditável e ainda hoje me pergunto se realmente é verdade. A partida Dele para sempre. A dor, a dor e a dor. A procura de respostas, a dor de filha que vê os pais morrerem um pouco a cada dia que passa. O todas as manhãs acordar e pedir que tudo não passe dum pesadelo, que Ele volte da viagem que interiorizei que foi fazer. A falta de respeito que surge de onde menos se espera e de onde nunca deveria vir. O querer dizer umas verdades e calar, não o fazer por respeito a Ele. Só por isso. E ter que lidar com a certeza que ele iria querer que as dissesse. Mas mesmo assim não o fazer.
O tiro que o Orlando levou e que me fez temer o pior. Imaginar o que viveu naquela noite e sofrer. Ter noção do que sofri ao imaginar, e pensar no que sofreu ao tê-lo vivido. Infelizmente tiroteios não é so nos filmes Áurea.

Na mudança de ano não houve festa, nem passas, nem pé direito. As cuecas azuis ficaram por estrear e a roupa branca no armário. Não houve promessas nem resoluções, apenas o pedido secreto que Deus nos guie e sorrie. Porque estamos a precisar dum descanso. Porque acima de tudo o merecemos.

4 comentários:

Leonor disse...

Bom Ano de 2009, Aúrea!!! :-) um beijinho e um sorriso
Leonor

Anónimo disse...

E tens aqui na capital muitos amigos para te darem a mão e ajudarem-te a continuar...

Adoro-te
Patrícia Pessoa

Anónimo disse...

E tens aqui na capital muitos amigos para te darem a mão e ajudarem-te a continuar...

Adoro-te
Patrícia Pessoa

Menina dos Olhos de Água disse...

Estamos à tua espera!

beijocas