quinta-feira, 14 de abril de 2011

Aleixo

Hoje estive no Aleixo. Parei o carro em frente à Torre 1 pois a C. viu o seu irmão lá na porta, no meio daquele amontoado de gente. Nos primeiros instantes olharam-nos todos, curiosos. Talvez com esperança que fossemos comprar algo. Apartir daí ficamos invisíveis para aquelas pessoas de olhar distante, confuso, um tanto ou quanto louco. Fiquei ali, aqueles minutos ,a observar o efeito que a droga ou a falta dela tem nas pessoas. Ansiosos, sempre a discutir entredentes. Uma rapariga corria dum lado para o outro, sem parar. O rabo-cavalo despenteado abanava a cada passada e parecia mostrar a inquietude daquela alma. Apáticos, vivem sem viver. Pergunto-me se terão sonhos. Pergunto-me pelo futuro daquelas pessoas e nem tento adivinhar a angustia de quem com eles se preocupa, as C. desta vida. Ainda que choque (muito) é uma realidade que muitos deveriam assistir.

2 comentários:

mari disse...

:S ...

Dream disse...

Nunca suspirei no teu blog, mas acompanho com alguma frequência. Gosto muito! :)

Hoje apeteceu-me... Talvez por conhecer de perto, não de dentro, esse mundo real e por saber da dificuldade que essas pessoas passam. Há muitos anos tive amigos que viveram bem essa realidade. Sempre vivi perto dela mas, felizmente, nunca me senti atraído por drogas, especialmente as pesadas. Satisfiz a curiosidade, mas nunca passava daí.
Hoje ainda conto com alguns amigos que conseguiram sair, com maior ou menor dificuldade, sairam. O dia a dia dessa gente é horrível. Sempre a pensar em como arranjar gito para a próxima dose. Desumano. O problema é que é muito difícil tirá-los de lá e a vida de que os ajuda acaba por se desmoronar.

Parabéns pelo teu blog que é sempre muito interessante!