quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Complicar para que?













Em conversa um amigo comum convidou o O. para um jantar no sábado. Daqueles onde esposas e namoradas ficam à porta, ou melhor, nem lá chegam. Jantar de amigos, homens. O O. como sabe que costumo combinar as coisas com antecedência, e visto que não tínhamos falado nada para esse dia, respondeu afirmativamente. Muito naturalmente, sem levantar problemas. E foi isso mesmo que o nosso amigo estranhou. Segundo ele, o meu marido foi o único a responder prontamente, sem rodeios nem receios da reacção da esposa. E isto faz-me confusão. Qual é o problema dele as vezes sair com os amigos? Eu por vezes também saio com as raparigas, e faz-me um bem tremendo. Se um dia poderei ter um desgosto? Não acredito mas...Se ele um dia se portar mal, não vou usar a velha desculpa dás más influências pois ele já é grandinho de mais para se deixar influenciar. Também não me vou martirizar a pensar que deveria ter-me oposto à saída dele, pois acredito que se as coisas tiverem que acontecer acontecem, tanto à noite num bar, como à tarde no tasco da esquina. Se alguma coisa acontecer, é porque na nossa relação concerteza algo não estará bem. E para mim o casamento é a existência do nós na sua plenitude, mas sempre com respeito ao eu e tu. E acredito que assim vamos no caminho certo.

6 comentários:

Anónimo disse...

Realmente Suspiro, complicar para quê??Se as pessoas nos quiserem trair não precisam de ir a um jantar com os amigos.Se fosse para complicar o meu casamento não tinha aguentado com o V. 5 anos na Amadora...Nas relaçoes há que vivermos um com o outro, mas também há que cada um ter o seu espaço e os sozinhos momentos com os amigos respectivos. Muitos Beijinhos S.V

Fénix disse...

E concordo plenamente contigo!
Apesar de serem dois, cada um de vós deve ter igualmente o seu "tempo" e o seu "espaço" =)

Kisses*
Fénix*

Mr. Me disse...

Sim, sim! Complicar para quê?? :D eheheh

Como sabes, não posso comentar minha querida. ;)

beijoca!

Sol disse...

Também acho que vais no caminho certo. Aliás, a mim parece-me ser esse o único caminho, não consigo sequer conceber relações em que esse não seja o pressuposto: a liberdade e a confiança têm de ser a base de qualquer relação.

disse...

Também sou assim com o meu marido e ele comigo. E é tão mais sáudável para a relação!

Lápis disse...

Esse parece-me, sem dúvida, o caminho certo!